Credits

WEB DESIGN LCPA Creative Agencies

WEB DEVELOP ADJ 3 Sistemas

Menu

Exposição 'DPP - Domínio Público-Privado'

Thursday, September 21, 2017 - 18:30 to Monday, January 8, 2018 - 23:30

Bernardo Lúcio é o autor da exposição de fotografia que a Tertúlia Algarvia recebe de 21 de setembro de 2017 a 08 de janeiro de 2018. A mostra intitula-se ‘DPP - Domínio Público-Privado’ e reflete o olhar de um ‘não-algarvio’ sobre a Ilha de Faro.

Sobre a exposição

Na Ilha de Faro, entre demolições e a erosão costeira, resistem casas de pescadores, casas de férias, o último retiro na reforma ou, noutros casos, a casa possível.

Foram essas construções espontâneas, genuínas e descomplicadas que tornaram este local único e cativante para a objetiva de Bernardo Lúcio.

As imagens recolhidas deram origem à coleção ‘DPP - Domínio Público-Privado’, composta no total por trinta fotos, dez das quais podem ser apreciadas na Tertúlia Algarvia.

Sobre o autor

Bernardo Lúcio nasce em Coimbra e vive alguns anos em Lisboa. É em 2003 que decide mudar-se para o Algarve, algo que sempre disse que faria, porque «sair de Lisboa só poderia ser em direção ao sul e para perto do mar. O cheiro a esteva que se sente na praça das portagens e das laranjeiras nalgumas alturas do ano também tiveram um papel determinante», explica. 

Bernardo acredita que o gosto pela fotografia teve uma componente genética, já que o bisavô, Álvaro Laborinho, era fotógrafo amador na Nazaré, sendo o seu trabalho o principal testemunho fotográfico da vida na vila no início do século XX.

Atualmente, Bernardo concilia a atividade enquanto sócio na empresa Topping – Creative Studio com a de fotógrafo.

Nos últimos anos, tem feito alguns trabalhos como freelancer de ‘fotografia automóvel’, principalmente carros clássicos e motos vintage, bem como fotografia comercial e corporativa para empresas da região.

Mas é nos projetos pessoais que Bernardo diz conseguir dar mais liberdade à criatividade e à sua paixão pela fotografia, pois gosta de «partir de uma simples ideia, deixá-la crescer e assistir à evolução de algo a que possa vir a chamar “projeto”».